2011

Em janeiro, a Saudia, a companhia aérea nacional da Arábia Saudita, assinou um acordo para se associar à SkyTeam em 2012. A companhia aérea é a primeira associada da SkyTeam do Oriente Médio, acrescentando 35 novos destinos à malha aérea da aliança. A Saudia complementa a malha aérea da SkyTeam, oferecendo acesso a destinos em todo o Oriente Médio aos clientes que ainda não eram atendidos pelas associadas da SkyTeam. Através dos importantes hubs da Arábia Saudita, Riyadh, Jeddah e Dammam, os viajantes podem conectar-se a novos destinos na Península Arábica, o subcontinente indiano e a África do Norte, que incluem 26 destinos nacionais e rotas internacionais, como Alexandria, Aden e Islamabad. As companhias aéreas associadas da SkyTeam vão ter acesso a novos potenciais clientes da região, pois a Saudia oferece voos diretos para a Europa, Ásia, África e EUA. Os clientes podem se transferir para voos de associadas da SkyTeam através dos hubs de Paris, Roma, Nairobi e Nova Iorque. A China Southern, associada da SkyTeam, também oferece voos regulares para a Ásia a partir de Jeddah.

Em fevereiro, a Middle East Airlines - Air Liban (MEA), a companhia aérea nacional do Líbano, assinou um acordo para associar-se à SkyTeam em 2012. A MEA será a segunda associada da aliança no Oriente Médio, um mercado de crescimento estratégico para a SkyTeam.

A SkyTeam está trabalhando ativamente para consolidar sua presença no Oriente Médio, uma das regiões mais importantes e com o maior crescimento econômico do mundo. A inclusão da MEA à malha aérea da aliança vai permitir à SkyTeam competir de forma mais eficiente, não só no Oriente Médio, mas também de e para a África Ocidental. Em troca, a SkyTeam oferece à MEA uma malha aérea mundial complementar. Os clientes da MEA poderão se conectar com o mundo através dos fluxos de tráfego que passam pelos hubs da SkyTeam na Europa, África, Ásia e nas Américas.

Em abril, a SkyTeam nomeou Michael Wisbrun como seu novo Diretor Executivo, efetivado em 01 de junho. Como chefe da equipe de gerenciamento, baseado no escritório central em Amsterdã, Michael Wisbrun é responsável por implementar um futuro plano estratégico futuro, conforme estabelecido pelo Conselho Executivo da SkyTeam. Entre as prioridades definidas no plano está a de continuar a expansão da malha aérea da SkyTeam e melhorar a proposta da aliança com novos produtos e serviços focados nos clientes.

Juntamente com a nomeação de Michael Wisbrun, a SkyTeam fortaleceu sua equipe de liderança nomeando o Sr. Su Liang como Diretor Executivo Adjunto. Su Liang é um diretor executivo sênior da China Southern. Sua ampla visão dos mercados emergentes da Ásia-Pacífico reafirmará ainda mais a crescente presença da SkyTeam na região e ajudará a consolidar a posição número 1 da SkyTeam na região da Grande China.

Em junho, a China Eastern oficialmente se associou à SkyTeam. Ao introduzir a companhia aérea com sede em Xangai, a SkyTeam fortalece sua posição como aliança de companhias aéreas líder da região, oferecendo 10% mais voos diários de e para a região da Grande China. A China Eastern é a 14ª companhia aérea a se associar à aliança, que deverá crescer para 19 associadas em 2012.

A China Eastern será incluída em todas as ofertas globais da SkyTeam oferecidas aos clientes, beneficiando clientes corporativos e oferecendo maiores oportunidades de negócios e comércio entre esta região e o resto do mundo.

Em setembro, a SkyTeam acolheu a China Airlines, a companhia aérea nacional de Taiwan, na aliança. Com sede em Taipé, a China Airlines é a maior companhia aérea de Taiwan, uma das economias mais dinâmicas do mundo voltada para a tecnologia, que também possui muitas oportunidades de turismo e ótimas perspectivas de expansão para a indústria da aviação.

A SkyTeam se beneficia muito dessa expansão de sua malha aérea nesta região. A extensa malha aérea das rotas da China Airlines abrange a Ásia, Europa, América do Norte e Oceania, e vai favorecer a conexão de clientes com voos de associadas da SkyTeam a nível mundial. A China Airlines também oferece uma extensa operação através do estreito de Taiwan, ligando a ilha com vários destinos importantes da China. Além disso, Taipé servirá como um hub asiático alternativo com serviços de e para os destinos comerciais importantes na região.